Confiança

É estranho esse negocio (é acentuado ou não?) de confiança. Há 7 anos atrás eu fui fazer faculdade em Botucatu. Acabei indo morar com a Priscila, uma amiga que conheci no cursinho, e uma outra menina que essa minha amiga conheceu no dia da matrícula. Depois de 6 meses resolvemos procurar um canto para gente (entenda-se Priscila e eu). Como é difícil encontrar uma casa que nos apetecesse. Tinha de ser perto da avenida principal, pois dependíamos de carona para irmos para a faculdade. Botucatu é uma cidade que padece de transporte público, os ônibus só passam de hora em hora e dão uma volta tremenda na cidade. Assim, os estudantes dependem principalmente da boa vontade alheia em dar caronas para aqueles desprovidos de carro. Mas também não podia ser tão perto da avenida, por causa do barulho. E é lógico que teríamos de gostar da casa.

Andamos, visitamos, andamos mais um pouco e nada. Até que um dia um amigo comenta comigo que tem um conhecido dele que alugou uma casa, mas por motivos pessoais não poderia ficar lá. A namorada tinha passado na pós graduação em outra cidade e ela ia para lá com a filha deles, então ele ia com elas. Só que o contrato que ele tinha feito era de 18 meses e caso fosse quebrar o contrato tinha de pagar um multa imensa. Assim, o melhor seria colocar alguém na casa para que não pagasse multa. E lá fomos nós conhecer a casa.

A casa era ótima: paralela a avenida, perto do mercado, padaria, casa de amigos e também era perto de um ponto de carona. A casa possuía 2 quartos e um quintal imenso. Havia pé de pitanga, goiaba, banana, tomate, beringela, maracujá. Uma plantação no fundo da casa e o preço do aluguel estava dentro do que queríamos pagar.

E agora começa a questão de confiança. Ele saiu da casa e nós entramos. Não foi feito nenhuma mudança no contrato. Assim o contrato continuava no nome dele, assim como os fiadores continuou a ser os pais dele. Devo ter falado com ele umas 3 vezes, no máximo, antes da mudança. Não o conhecia, nem nunca tinha visto na faculdade. Mas mesmo assim ele confiou que não teria problemas em deixar a casa com a gente. E realmente não teve. Pagávamos o aluguel no dia, não éramos inquilinas problemáticas nem nada. Arrumávamos o jardim, dava as frutas para quem queria, não éramos de fazer arruaça nem festas. Enfim, não havia motivos para reclamar da gente.

Depois do fim do contrato, renovamos e renovamos e renovamos. O período inteiro da minha faculdade eu morei naquela casa. Foram 5 anos da minha vida lá. Durante esses 5 anos até chegamos a cogitar morar em outra casa. Chegamos a procurar, principalmente depois que entrou mais uma moradora. O problema é que agora tinhamos 3 cães e nem todas as imobiliárias alugam casa para quem tem cães. Outras casas não eram adequadas para cães. Um problema a mais na hora de encontrar a casa certa. No final acabamos não mudando de casa.

Depois de 5 anos, a faculdade chegou ao fim e eu me formei. Voltei para São Paulo, após largar o mestrado ao qual tinha passado, mas não tinha começado. Deixei algumas coisas minhas lá, principalmente móveis pessoais, como cama, armário, escrivaninha. Alguns foram vendidos, outros ficaram com a Priscila. Eletrodomésticos que comprei com a Priscila, também ficaram por lá como forma de pagamento da pintura da casa que deveríamos pagar quando saíssemos da casa.

A linha de telefone que estava no meu nome continua no meu nome. Faz 3 anos que saí de lá e isso não foi alterado. E eu não tenho receio de ter uma conta no meu nome, mesmo que eu não esteja utilizando ou conferindo. Confio na Priscila. Moramos juntas por 5 anos e nunca tivemos problemas com as contas. As contas sempre foram pagas em dia, divididas igualmente entre todas nós. As ligações particulares do telefone sempre bateram. E olha que dividir a conta de telefone sempre foi um saco. Era necessário procurar número por número, principalmente porque a maioria das ligações eram interurbanas. Então vinha relacionado na conta, mas nunca tinha um número estranho que ninguém reivindicava.

Sempre ouvi o ditado “Amigos amigos, negócio a parte”, mas não tive problemas em juntar amizade com finanças nesse caso. E espero que continue assim. Essa é uma amizade que eu não gostaria de perder. Sobrevivemos a 5 anos morando juntas, mais 3 anos separadas. E separadas por 250 km de distância.

Ps: Eu lembrei dessa história porque encontrei hoje com a Priscila e ela veio me contar o drama que foi mudar o plano do telefone. Além de ficar pendurada no telefone para explicar o que ela queria, ter de confirmar trocentas vezes vários dados (inclusive os meus), ela tinha de explicar qual a relação dela comigo. Chegaram até a perguntar se tínhamos nos separados. Acho que apenas casais podem morar juntos pelo visto.

Notícias de Julho

Sei que agosto já começou, mas queria falar de julho:

– Muitos aniversários em julho: Para ter idéia foram 5 aniversários em menos de duas semanas. E só do meu projeto.

– Bruxa do relacionamento está solta: Muitas amigas brigando com o namorado pelo mais diversos motivos.

– Licença maternidade: minha amiga grávida entrou em licença maternidade. A bebê já está encaixada. Agora qualquer hora é hora.

– Fisioterapia: Fiquei com muitas dores e tive que parar a academia e fazer fisioterapia. Foram 10 sessões que não me ajudaram em nada para falar a verdade. E eu ainda não voltei no ortopedista.

– Peso: Com a parada da academia por causa da fisioterapia, meus resultados (ganho de peso, definição do corpo) foram totalmente perdidos. Preciso voltar com força total para recuperar tudo. (Sim, eu faço academia para engordar).

– Curso: Estou fazendo cursos aos domingos. Em vez de descansar no domingo, acordo cedo e vou estudar. E é o dia inteiro!!

– Série de TV: Comecei a assistir uma série (mais uma!) que é muito legal. Lembra um pouco Friends por ser em Nova York e por ser um grupo de amigos e é muito bacana. O nome é How I met your mother, carinhosamente chamado de HIMYM para simplicar na escrita..rsrs

– 3G: Agora estou mais tecnológica do que nunca. Estou com um chip 3G que me deixa conectada o dia inteiro na internet. Agora só preciso resolver o problema da falta de bateria do celular no final da tarde.

– Filme: Assisti A era do gelo 3 em 3D. Muito legal!! Adorei, vou esperar o lançamento de outros filmes e assistir também. Compensa pagar um pouco mais caro. E assisti Harry Potter também, só que nem lembro mais da história direito. Faz um bom tempo que li os livros.

– Encontro: Participei de um super Orkontro em Itatiba, terra de Aninha querida. Encontro muito legal com pessoas especiais. Encontro que espero que se repita.

Encontro em Itatiba
Encontro em Itatiba

É, acho que por enquanto é só. Se eu lembrar de mais algo, escrevo depois!!

Sonhos

Essa noite sonhei com você. Sonhei que você estava na minha casa e estava brincando com a Lana, que por acaso estava molhada. É lógico que você não ligou para esse ínfimo detalhe. Depois estávamos discutindo onde iríamos comer, você queria comer no Planet Hollywood (não me pergunte porque, nem sei se existe no Brasil. Loja de roupa eu sei que tem, mas local para comer, ah já não sei), só que havia algum problema de ir lá, problema que agora não me recordo. Também tínhamos que esperar o meu namorado, mas não sei onde ele estava… E a próxima coisa que me lembro é do despertador tocando..

Engraçado como os sonhos são. Sonhamos com coisas que nunca aconteceram, com pessoas amigas, mas distantes. É muito provável que esse sonho tenha sido causado pelo seu post em seu próprio blog. Post que eu li na cama um pouco antes de dormir. Talvez seja um sinal de que precisamos conversar mais, já que a rotina do dia a dia nos faz não ter tempo para isso.

Eu gosto de sonhar. E espero não ter que esperar sonhar com alguém para voltar a ter contato.